Nós Devemos Ter um Avivamento

“… Renova os nossos dias como dantes.” (Lamentações 5:21)

John Girardeau, ministro da Velha Escola Presbiteriana de Charleston, SC, recusou a oportunidade, em 1851, de pastorear uma grande igreja Presbiteriana, com o intuito de iniciar uma igreja com escravos africanos, fora da Segunda Igreja Presbiteriana de Charleston. A metodologia da Girardeau era a realização de uma reunião de oração semanal, para dividir a congregação em classes de cinquenta pessoas cada uma, pois assim as responsabilidades e necessidades pastorais poderiam ser divididas de forma adequada e a Palavra de Deus pregada com poder. A igreja começou com trinta e seis membros e em 1860 já havia alcançado seiscentos membros e mais de mil e quinhentos frequentadores tanto no culto da manhã, como no da tarde. Sua congregação de escravos, que em grande parte não eram autorizados a aprender a ler e escrever por seus mestres, aprendeu por memorização o Breve Catecismo da Confissão de Fé de Westminster, e sua congregação construiu a maior igreja em Charleston daqueles tempos. Quase todos os membros eram escravos africanos. Girardeau rejeitou qualquer aparência de um plano de negócios. Ele procurou a unção do Espírito sobre sua pregação e Deus respondeu poderosamente.

Quando o avivamento veio à Nova York através das reuniões de oração ao meio-dia conduzidas por Jeremias Lanphier, o avivamento começou também a se espalhar por toda a América, País de Gales e Irlanda do Norte. Enquanto a eminência de guerra e separação aumentava no país, seguidores de Girardeau também ansiavam por avivamento. Por conta disso, eles começaram uma reunião de oração em 1858, orando todas as noites por várias horas, ao longo de muitas semanas. Eles pediram a Girardeau que pregasse a eles, mas ele recusou, esperando que eles recebessem primeiramente a visita do Espirito Santo. Uma noite, enquanto orava, Girardeau afirma que sentiu algo como um raio correndo através de seu corpo, da cabeça aos pés. Ele ficou em atordoado silêncio durante alguns minutos. Em seguida, ele conduziu um hino e disse que a pregação começaria na noite seguinte. O povo sentou-se em seus lugares, esperando por ele para começar a pregar naquele momento. Em seguida, ele sabia que o Espírito havia vindo sobre eles também! A pregação e oração duraram naquela primeira noite até meia-noite com muito choro – alguns choravam por suas almas perdidas, enquanto outros choravam pela alegria de sua salvação. Um grande número de negros e brancos foram salvos durante estas muitas semanas de pregação e igrejas por toda Charleston foram construídas por intermédio do avivamento. Muitos dos salvos nas pregações avivadoras de Girardeau morreram alguns anos mais tarde, enquanto marcharam e enfrentaram as terríveis armas de guerra.

Ao concluir seus cinco poemas de lamentações devido ao julgamento de Deus sobre a recalcitrância de Judá, Jeremias faz um apelo a Deus, “Converte-nos a ti, SENHOR, e seremos convertidos; renova os nossos dias como dantes” (Lamentações 5:21 ). Ele está pedindo a Deus para lembrar-se deles, para restaurar os “dias de glória” da vida sob o rei David. O salmista pediu a mesma coisa, “Restaura-nos, ó Deus! Faze resplandecer sobre nós o teu rosto, e seremos salvos”(Sl 80:3). Não podemos concordar em perguntar, da mesma forma, para que Deus renove os nossos dias como dantes? Será que não precisamos desesperadamente de uma nova visitação do Espírito sobre nós? Embora as circunstâncias tenham mudado, não podemos concordar que o mesmo tipo de ministério ungido pelo Espírito Santo como eles tinham na época de Girardeau ainda é necessário? O que estamos a fazer?

Ponto principal – Precisamos ter avivamento ou vamos perecer. O que devemos fazer para vê-lo? Como já mencionei antes, devemos combater nossa culpa. Falhamos em buscar a Deus como deveríamos. Falhamos em orar, em evangelizar e falar a palavra da verdade um ao outro. Temos nos absorvido de mundanismo e materialismo, adorando o deus de paz e fartura. Nós precisamos ganhar um fardo intolerável pela glória de Deus. Não vamos ganhar isso enquanto não vermos a nossa culpa e nos arrependermos de nossos pecados. E temos de possuir uma fome indomável pela salvação das almas. Devemos ver o fogo e enxofre. Devemos sentir o cheiro do enxofre infernal. Devemos ouvir o grito agonizante dos condenados. Devemos lamentar em como o nome de nosso bendito Senhor está manchado por aqueles que negam a sua divindade, que dizem que ele é apenas um em meio a muitos salvadores. Mas também devemos estar dispostos a pagar o preço pelo avivamento, e isso significa oração avivada. Daniel orou 12 horas (Daniel 9:21). Os cento e vinte oraram por 10 dias (Atos 1:09, 24). Anna orou por 50 anos (Lucas 2:36-37). Se não estamos dispostos a reservar pelo menos 12 horas para orar, então nós não temos parte com Deus! Nós temos que recuperar uma eclesiologia biblicamente estruturada. Por meio disso, quero dizer que todos os crentes precisam enxergar a necessidade de evangelizar (Atos 8:04). Falhar neste ponto é ser desobediente à Grande Comissão. Nós todos existimos para falar a Palavra de Deus para o próximo, ensinando e exortando um ao outro (Ef. 4:25). E todos existimos para servir ao próximo, colocando suas necessidades antes de nossas próprias necessidades, o que Francis Schaeffer chamou de “viver em comunidade” como seguidores de Cristo (Gl 5:13). Mas enquanto todos existimos para fazer estas três coisas, também é verdade que Deus concede o dom para alguns para serem evangelistas, alguns para ensinarem, e alguns para o serviço diaconal (Ef 4:11, Atos 06:1). Conhecer e utilizar nossos dons espirituais é um exercício vital e vale a pena. E há três ofícios dentro da igreja – evangelista, presbítero e diácono – e todos os três são vitais para o bem-estar e crescimento de qualquer corpo local de Cristo (Ef. 4:11, 1 Tm. 3:1). E para cada evangelista deve haver dois presbíteros para ensinar a verdade bíblica, e três diáconos que estão lá para ministrar às necessidades físicas e materiais desses novos convertidos. Isso porque os novos convertidos do “mundo” na maioria das vezes precisam de muita ajuda para aprender como mudar suas vidas cada vez mais em conformidade com os ensinamentos da Biblia.

Mas também temos que buscar a Deus por pregação avivadora. Homens da “Irmandade Evangelistica Presbiteriana” (Presbyterian Evangelistic Fellowship) como Bill Hill, Ben Wilkinson, e Arnie Maves foram a espinha dorsal deste ministério vital que sem dúvida trouxe milhares de pessoas para o reino de Deus. Como Francis Schaeffer nos exortou, devemos sem vergonha e sem reservas proclamar a verdade bíblica à nossa cultura pós-cristã. Por pregação avivada, refiro-me a proclamação ungida pelo Espírito, exposição e aplicação das Escrituras Sagradas que humilha o homem e exalta a Cristo, que chama as pessoas à fé em Jesus, que chama as pessoas para santidade do evangelho. A pregação avivada prega para um veredicto, procurando conduzir os homens a Jesus para salvação e santificação. Pedro no dia de Pentecostes, Paulo em Éfeso, Jonathan Edwards em Enfield, e George Whitefield, na Filadélfia, são exemplos de pregação de avivamento. Deus sempre usou isso para trazer avivamento, e devemos ter isso novamente.

Eu digo que nós temos que ter um avivamento ou vamos perecer sob a ira de Deus. Essa declaração é muito forte? Não! Olhe para a história da igreja. Quando a igreja já não age como igreja – evangelizando, ensinando e servindo os necessitados – então Cristo pega a lamparina, retira deste lugar e a move para outro local no mundo. Ele deixou o Oriente Médio, África do Norte, Europa, e Ele está atualmente deixando os Estados Unidos. Precisamos ter avivamento. Precisamos estar dispostos a pagar o preço. Precisamos buscar a Deus em oração avivadora. Devemos ter uma estrutura eclesiástica bíblica. Precisamos ter pregação avivadora. Precisamos! Precisamos! Precisamos! Mas não podemos. Em nossa carne, não habita bem algum. Nós queremos nosso conforto, não a glória de Deus. E nós certamente não temos a capacidade de trazer conversões e a transformação do evangelho de nossa cultura. Portanto, precisamos ter sede de Deus, e nós não teremos essa sede ao menos que o Espírito nos mostre o nosso pecado da descrença e mundanismo, a menos que ele nos dê a conhecer a nossa idolatria. Mas quando tivermos sede, então vamos ser movidos a orar fervorosamente, e quando oramos fervorosamente Deus nos dará a graça para brilhar com a glória de Jesus em nossos rostos e vidas. Exorto-vos a ver o seu pecado do culposo silêncio, de mundanismo, de adorar antes o deus do conforto e riqueza. E exorto-vos a arrepender-se e buscar a Jesus para o derramamento do seu Espírito sobre a sua igreja, comunidade, nação e mundo. Precisamos de um avivamento ou vamos perecer!

By Al Baker. Translated with permission. © 2003 Banner of Truth. All rights reserved. Website: www.banneroftruth.co.uk. Original: We Must Have Revival.

Traduzido por Raphael Christian Pereira. afeicoesdoevangelho.wordpress.com.
Original: Nós Devemos Ter um Avivamento

O leitor tem permissão para reproduzir esse conteúdo desde que não o altere, informe os créditos de autoria e tradução, e não use para fins comerciais.

Advertisements

About afeicoesdoevangelho

O afeições do evangelho foi criado com o propósito de incentivar as pessoas a buscarem conhecer e viver o Evangelho Cristocêntrico, como fizeram uma grande nuvem de testemunhas (Hebreus 12.1) em outras gerações. Solus Christus!
This entry was posted in Contemporâneos and tagged . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s