Exposição da Fé Cristã – Capítulo XI

Não pode ser provado das Escrituras que o Pai existiu antes do Filho, nem podem os argumentos tomados da reprodução do homem utilizar-se desse fim, uma vez que eles trazem absurdos sem fim. Para ousar afirmar que Cristo começou a existir no curso do tempo é o cúmulo da blasfêmia.

68. Você me pergunta se é possível que Ele, que é o Pai, não deva ser o primeiro em existência. Eu te peço que me diga quando o Pai existiu sem que o Filho ainda não existisse; prove isso, junte argumento ou evidência das Escrituras. Se você se apoia em argumentos, você, sem dúvida, foi ensinado que o poder de Deus é eterno; novamente, você tem lido nas Escrituras que diz: “Ah, Israel, se me ouvires! Não haverá entre ti deus novo, nem te prostrarás ante um deus estranho (Sl 81:8-9)”. O primeiro desses mandamentos denota a eternidade [do Filho]; o segundo, Sua posse de uma natureza idêntica, de maneira que não acreditamos ter Ele vindo à existência depois do Pai, nem supomos ser Ele o Filho de outra divindade. Pois se Ele não existiu sempre com o Pai, Ele é um “novo” [Deus]; se ele não é uma Divindade com o Pai, ele é um “estranho” [Deus]. Mas ele não vem após o Pai, pois ele não é “um novo Deus”, nem é Ele “um estranho Deus”, pois Ele é gerado do Pai e, por isso, como está escrito: Ele é “Deus sobre todos, bendito eternamente” (Rm 9:5)

69. Mas se os Arianos acreditam ser Ele um Deus estranho, por que eles O adoram, quando está escrito: “Tu não deves adorar Deus Estranho”? Além disso, se eles não adoram o Filho, deixe-os confessar e o caso está encerrado – que eles não enganem ninguém pela profissão da religião deles. Esse, então, é o testemunho das Escrituras. Se você tem qualquer outro pra produzir, será por sua conta fazê-lo.

70. Vamos agora mais longe para reunir a verdade em conclusão dos argumentos. Pois, embora argumentos deem lugar para evidencias humanas, ainda assim, herético, argumente como quiseres. “A experiência nos ensina” você diz, “que o ser que gera é precedente ao que é gerado.” Eu respondo: Siga nossa habitual experiência através de todo seu departamento, e se o resto concordar com isso, eu não me oporei a sua alegação e seu ponto será concedido, mas se não houver tal concordância, como você pode reivindicar consentimento nesse ponto, quando em todo resto te falta apoio? Veja que você apela para o que é habitual, então se tratando do Filho, quando ele foi gerado do Pai, Ele era uma pequena criança. Você O tem visto criança, chorando no berço. Com o passar dos anos, Ele foi avançando de força em força, pois se Ele era fraco com a fraqueza de coisas geradas, Ele deve também ter caído sob a fraqueza, não somente do nascimento, mas da vida.

71. Mas talvez você corra da loucura de afirmar tais coisas sobre o Filho de Deus, medindo-O, como faz, pelas regras da fraqueza humana. E se, enquanto você não pode recusar lhe o nome de Deus, você está inclinado a provar lhe, pela razão da fraqueza, ser um homem? E se, enquanto você examina a pessoa do Filho, você está chamando o Pai em questão e enquanto você apressadamente sentencia sobre o Primeiro, você inclui o último na mesma condenação?!

72. Se a Geração Divina foi sujeita aos limites do tempo, – se nós supormos isso, tomando emprestado do uso da geração humana, então segue que o Pai despiu o Filho num útero corpóreo e trabalhou sob o fardo no curso de dez meses. Mas como pode, como comumente acontece, a geração ocorrer sem a ajuda de outro sexo? Você vê que a ordem da geração não era o início e você acha que o curso da geração, que era regido por certas necessidades pelas quais os corpos são sujeitos, tem sempre predominado. Você requer o curso habitual, eu peço diferença de sexo; você demanda a suposição do tempo, eu da ordem; você inquire no fim, eu no início. Agora, certamente é o fim que depende do início, não o início do fim.

73. “Tudo” Você diz, “que é gerado tem um começo, e por isso, porque o Filho é o Filho, Ele tem um começo, e veio primeiro a existência dentro dos limites do tempo”. Deixe isso ser tomado como a palavra de sua própria boca, como por você mesmo. Eu confesso que o Filho é gerado, mas o resto dessa declaração faz-me estremecer. Homem, tu confessas a Deus e diminui Sua honra com tamanha difamação? Deus nos livre dessa loucura.

Leia também: Exposição da Fé Cristão – Cap IX

By Ambrósio de Milão. Retirado de Christian Classic Ethereal Library. Original: Ambrose: Selected works and letters.

Tradução Diego de Andrade. afeicoesdoevangelho.wordpress.com.

Advertisements

About afeicoesdoevangelho

O afeições do evangelho foi criado com o propósito de incentivar as pessoas a buscarem conhecer e viver o Evangelho Cristocêntrico, como fizeram uma grande nuvem de testemunhas (Hebreus 12.1) em outras gerações. Solus Christus!
This entry was posted in Patrística. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s